“Os Presidentes” em Estremoz

Foi numa cadeia do século XV que “Os Presidentes” se sentaram à mesa esta noite. A Cadeia Quinhentista não se chama assim à toa, ela foi mesmo prisão, e funcionou como tal até 1970, altura em que de lá saiu o último preso. A Cadeia Comarcã de Estremoz esteve abandonada até há uma década, altura em que João Simões decidiu recuperá-la, elegendo Alice Pôla como chefe de cozinha.

Numa cela onde hoje se janta, Fernando Alves, Pedro Pinheiro e António Catarino, com o apoio técnico de Pedro Picoto, sentaram-se à conversa com Luís Parente (Orfeão Tomás Alcaide) Joaquim Perdigão (Sociedade Recreativa Estremocense), Luís Batista (Clube de Futebol Estremoz), Dina Matos (Sociedade Filarmónica Lusitana) e Matilde Belo (Associação de Produtores de Enchidos Tradicionais do Alentejo). Na terra de António Spínola, Presidente da República, houve lugar ainda para o diretor do Museu Municipal Hugo Guerreiro.

Parte I:

Parte II: